Com ajuda da Central IT, SME São Paulo cria fluxo do contágio pela COVID em escolas públicas

Com o uso do CITSmart, Secretaria Municipal de Educação (SME), terá maior controle sobre incidência do vírus entre alunos e professores.

Há alguns anos, a Central IT ganhou mais um ponto no mapa do Brasil, quando chegou a São Paulo e firmou uma parceria desafiadora com a Secretaria Municipal de Educação (SME).

Dentre diversos projetos de grande porte realizados em conjunto com o órgão municipal, podemos destacar um que fará a diferença, nesta hora, em que todos tentamos criar novas maneiras de nos readaptar às rotinas de uma vida normal.

A iniciativa, que irá ajudar na retomada do ensino presencial, consiste na implementação de um sistema de monitoramento on-line para registrar a incidência de casos suspeitos de COVID-19 nas escolas da rede municipal.

Monitoramento da COVID

A partir da coleta constante de dados é criado um fluxo de monitoramento da transmissão do vírus, que será enviado para as unidades educacionais, para dar aos profissionais de cada escola as informações necessárias para ajudar a identificar casos suspeitos e facilitar o contato com as famílias, para viabilizar o encaminhamento para as Unidades Básicas de Saúde (UBS) de referência.

O apontamento dos casos suspeitos deverá ser feito pela equipe gestora de cada instituição de ensino, por meio do sistema CITsmart, em Monitoramento COVID-SIMC-19. Os dados registrados do aluno ou profissional precisam ser compartilhados, junto ao o formulário impresso para a UBS de referência. Isso torna o atendimento mais célere e permite maior controle por parte das autoridades de Saúde e Educação.

O fluxo de monitoramento da transmissão enviado às instituições de ensino foi organizado em conjunto com especialistas da Secretaria de Saúde e conta com todas as características e sintomas que podem se manifestar em crianças e adultos.

Por fim, a orientação da SME é a de que, caso haja constatação de um ou mais sintomas, a escola deverá fazer o isolamento do estudante, entrar em contato com a família, preencher o formulário no sistema CITsmart e imprimi-lo, orientando que os responsáveis, de posse do documento, levem a criança até a UBS de referência. Caso um educador apresente os sintomas, ele também será orientado a comparecer a Unidade Médica, com o formulário em mãos. Nas situações em que for confirmada a contaminação por COVID-19, a escola deverá ser comunicada, imediatamente, para que as providências sejam tomadas.

1 Comentário to “ Com ajuda da Central IT, SME São Paulo cria fluxo do contágio pela COVID em escolas públicas”

  1. […] Com ajuda da Central IT, SME São Paulo cria fluxo do contágio pela COVID em escolas públicas […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × dois =