O anúncio foi feito em primeira mão pelo diretor-presidente do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Marcos Mazoni, na abertura da 10ª Conferência Latino-americana de Software Livre (Latinoware), na tarde desta quarta-feira (16), no Cineteatro dos Barrageiros, em Foz do Iguaçu. A conferência segue até sexta-feira.

De acordo com Mazoni, a exigência é que os softwares sejam auditáveis, ou seja, que se possa desmontá-los e verificar se eles estão fazendo exatamente o que devem fazer ou se, por exemplo, há algum programa malicioso instalado. Um dos sistemas que já usam o software livre é o Imposto de Renda, baseado no Demoiselle Framework, além de outros para a Previdência Social e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Na segunda-feira (14), a Presidência da República anunciou o uso do Expresso V3, um sistema de e-mails baseado em código aberto que, até 2014, deve predominar na administração pública federal. As medidas têm o objetivo de reforçar a segurança virtual e reduzir o risco da espionagem em mensagens oficiais.

Segundo o diretor-presidente da Companhia de Tecnologia a Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), Jacson Carvalho Leite, um software livre usado no atendimento do Detran, na Internet, já evitou que mais de um milhão de pessoas precisassem ser atendidas no balcão.

Juan Carlos Sotuyo, diretor-presidente da Fundação PTI, falou sobre a criação do Centro de Tecnologia Livre da América Latina (Celac), sediado no parque, que vai permitir a criação colaborativa de novos programas.

Em sua décima edição, a Latinoware já é considerada um dos maiores eventos sobre software livre da América Latina, reunindo 4.560 participantes de 18 países, entre especialistas, curiosos, estudantes e profissionais da informática. Serão 150 atividades em cerca de 320 horas de programação de palestras, mesas-redondas, oficinas e minicursos.

Fonte: CBN