Governança Corporativa e seu impacto na Governança de TI

Governança Corporativa é muito mais do que apenas um conceito. Trata-se do planejamento, execução e coleta de resultados gerados por um modelo de gestão de todos os serviços existentes em uma organização.

A Governança é alcançada a partir de uma série de práticas consideradas imprescindíveis para dirigir, monitorar, incentivar e definir práticas e cultivar o relacionamento entre todos os componentes de uma determinada empresa ou instituição. Para chegar às recomendações que a compõem, é necessário traçar um paralelo entre os objetivos, interesses e finalidade das ações de uma organização e um fluxo de processos que devem ser obrigatoriamente cumpridos para que o seu desempenho seja elevado.

A pirâmide da Governança Corporativa é formada primeiramente pelos stakeholders, responsáveis pela definição das políticas e dos processos empresariais, seguidos por funcionários, que executam as tarefas definidas por ela, fornecedores, que oferecem provimentos para a execução das atividades planejadas, instituições reguladoras e a comunidade, que é a receptora de tudo o que é gerado a partir de todo este ciclo.

Dentro da Tecnologia da Informação, a Governança Corporativa divide-se em uma nomenclatura própria, a Governança de TI, porém as duas guardam suas próprias particularidades. A primeira, está voltada para a gestão da instituição como um todo, já a segunda rege o gerenciamento dos processos do segmento de TI em si, como afirmou o Ministro Aroldo Cedraz. “Governança de TI é o conjunto estruturado de políticas, normas, métodos e procedimentos destinados a permitir à alta administração e aos executivos o planejamento, a direção e o controle da utilização atual e futura de tecnologia da informação, de modo a assegurar, a um nível aceitável de risco, eficiente utilização de recursos, apoio aos processos da organização e alinhamento estratégico com objetivos desta última. Seu objetivo, pois, é garantir que o uso da TI agregue valor ao negócio da organização.” (Voto do Ministro Relator – Acórdão 2.308/2010 – Plenário).

Por que os serviços de TI devem ser governados?

Segundo o expert em processos de Gestão de serviços de Tecnologia da Informação, George Spalding, existem padrões e controles em cada localidade e país locais e nacionais para todos os tipos de serviço, sejam os cotidianos como, serviços de abastecimento de água, esgoto, eletricidade e qualidade do ar ou específicos, como a administração de uma empresa.

Para ele, assim como existem leis de trânsito para nos manter seguros e para punir aqueles que desrespeitam as desrespeitam, é extremamente necessário que sejam traçados padrões que respeitem os princípios, objetivos e métricas de desempenho definidos para cada área, por exemplo a TI. “Mesmo assim, no mundo que vivemos hoje nós temos toda estabilidade econômica mundial trafegando em redes e sistemas que têm pouca ou nenhuma Governança ou controle. O futuro dos países desenvolvidos está em risco se nós não acordarmos e virmos que todo país está vulnerável. O tempo é agora para tornar isso realidade. Acredito que, agora, mais do que nunca, a Governança não é uma opção”, afirma Spalding, que é ex-consultor da Casa Branca.

Governança Corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo as práticas e os relacionamentos entre proprietários, conselho de administração, diretoria e órgãos de controle. As boas práticas de Governança Corporativa convertem princípios em recomendações objetivas, alinhando interesses com a finalidade de preservar e otimizar o valor da organização, facilitando seu acesso ao capital e contribuindo para a sua longevidade.

A Central IT

A proposta da Central IT é cuidar do ambiente de TI de seus clientes para que eles possam se dedicar inteiramente à gestão administrativa e consequentemente atinjam a Governança Corporativa. Sendo assim, nos tornamos referência na implementação e controle de todos os processos referentes à Tecnologia da Informação, indispensável para a hegemonia e bom andamento dos negócios e do ciclo de serviços internos de cada organizacional, evitando o colapso.

A empresa é conhecida por executar um modelo de atuação voltado para a prestação de serviços regidos por normas de qualidade, com controle sistematizados de demandas e entrega de resultados com base nas definições da Instrução Normativa nº 4 elaborada pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, que trata do modelo de execução dos serviços de TI, sem ater-se ao fornecimento de postos de trabalho, ou seja, nossos contratos são regidos por demanda não pela contratação de mão de obra.