Citsmart: ferramenta de ITSM certificada PinkVerify e o conceito de código livre.

Por se tratar de uma empresa comprometida com a qualidade e o aumento do desempenho da gestão de serviços, a Central IT decidiu investir alto na automação e normatização do cumprimento de processos, através da criação do Citsmart, uma plataforma completa, com perfil flexível e fácil ambientação em diversos sistemas operacionais.

Por se tratar de uma ferramenta inovadora, que eleva a gestão de rotinas à Governança e cria mecanismos de interação e unidade entre elas, o Citsmart foi certificado pela certificadora internacional Pink Elephant, com o selo Pink Verify em nove processos ITIL, e se tornou o único software aberto de gestão de serviços de TI no mundo a possuir este reconhecimento.

Em 2014, a Central IT decidiu compartilhar esta plataforma. A partir de agora, ela passará a ter seu código, comunidade e demais recursos hospedados no Portal do Software Público Brasileiro, com acesso irrestrito dentro e fora do território nacional.

Esta iniciativa foi idealizada após a percepção da necessidade que a sociedade como um todo tem em gozar de serviços de qualidade, uma vez que atualmente todas as rotinas de negócios públicos e privados dependem da Tecnologia da Informação para existir, obter ganho de valor e de produtividade.

Open Source

O movimento em prol da criação de softwares de código aberto foi criado em 1988 por Eric Raymond e Bruce Perens. Segundo eles, ao criar a Open Source Inovation, a intenção era difundir a cultura de compartilhamento dessas ferramentas entre diversos usuário, porém, com o embasamento em fatores técnicos.

A partir daí, foram criados critérios nos quais os softwares deveriam se enquadrar para que fossem de fato considerados livres. São eles: distribuição livre, código fonte acessível, trabalhos derivados, integridade do autor, distribuição da licença, não discriminação contra pessoas, grupos e áreas de atuação, não restrição a outros programas e licença neutra em relação à tecnologia.

A expansão do conceito de open source foi criticada por algumas vertentes do mercado de Tecnologia da Informação, que julgavam o fato de uma ferramenta não possuir um ponto de partida único para suas atualizações e melhorias. Porém, atualmente, o mercado tem demonstrado que o uso de ferramentas de código aberto é uma oportunidade de inovação e personalização dos negócios, e seu crescimento tem sido a olhos vistos ao longo dos últimos anos.

O Portal do Software Público Brasileiro

Criado em 2007 pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, o Portal do Software Público Brasileiro partiu do conceito de indivisibilidade, previsto na Teoria dos Bens Públicos, ou seja, todos aqueles que podem ser livremente compartilhados sem que haja rivalidade entre eles. Neste caso, a definição é aplicada a softwares, regidos por licenças de uso específicas.

Dentre os principais fatores que corroboram a utilização e o compartilhamento de ferramentas tecnológicas publicamente estão a demonstração de que a adoção de um software livre não fere a Constituição e a amplitude que pode ser alcançada pelas redes de colaboração.

A adesão a este conceito torna o alcance destes softwares muito maior, já que os hospeda em um ambiente em que a colaboração, seja pela presença de desenvolvedores, prestadores de serviço e tantos outros usuários, é o ponto principal de sustentação dos mesmos, como afirma a instrução Normativa nº1, no trecho que que dita: “O Software Público Brasileiro (...) é disponibilizado na internet em ambiente virtual público, sendo tratado como um benefício para a sociedade, o mercado e o cidadão (...)”